3
3

GRUPO LATAM OPERA PELA PRIMEIRA VEZ EM QATAR

●        Os voos foram operados pela LATAM Airlines Brasil e foram realizados no âmbito da alta temporada de frutas no Chile. Especificamente, para apoiar a exportação de cerejas para o continente asiático, bem como a importação de produtos eletrônicos para a América Latina.

●        A viagem de ida e volta foi realizada em um B777-300 utilizado para o transporte exclusivo de cargas. Uma vez em Doha, o embarque foi conectado com um partner interline, Qatar Airways, com destino a Xangai.

●        Mais de 50 pessoas participaram da preparação e da coordenação da rota implantada.

Dezembro de 2020.- No dia 30 de novembro, teve início uma viagem que ficará gravada na história do Grupo LATAM. Pela primeira vez, um avião do Grupo operado pela LATAM Airlines Brasil pousou em Doha, Qatar, para transportar perecíveis de clientes da LATAM Cargo na América do Sul para o continente asiático e retornar à América Latina com produtos eletrônicos.

“Pousar pela primeira vez em Qatar é o reflexo mais concreto do compromisso que temos em atender às necessidades de nossos clientes de carga. De forma bem-sucedida e com o apoio de nossas subsidiárias, coordenamos e implementamos uma rota que nos permitiu reduzir os tempos de transporte para os seus mercados relevantes e apoiar os mercados de exportação e importação da América do Sul”, disse Kamal Hadad, VP de Alianças e Network da LATAM Cargo.

O segundo voo decolou no dia 07 de dezembro para Doha. Em suma, as operações permitiram à LATAM Cargo transportar mais de 95 toneladas de frutas, que conectaram com o seu parceiro interline, Qatar Airways, com destino a Xangai. Da mesma forma, facilitaram a entrada de mais de 60 toneladas de produtos eletrônicos nos mercados do Brasil e do Chile, altamente demandados pela época do Natal.

A LATAM Cargo manteve sua estratégica baseada na utilização de aviões de passageiros para o transporte exclusivo de cargas, com a qual, ao longo da pandemia, conseguiu mitigar a redução da capacidade belly gerada pelo fechamento de fronteiras em nível internacional. Especificamente, nesta rota transportou carga em um B777-300 que decolou em Guarulhos (Brasil) para Santiago do Chile, pousando em Recife, Brasil, para fazer uma parada técnica, seguindo depois para Doha, Qatar. O voo de volta foi para Guarulhos, Brasil.

Mais de 50 pessoas de diferentes áreas constituíram a equipe responsável pela implantação e logística dessa operação, que incluiu 18 horas de voo desde sua origem em Brasil até o pouso em Doha.

“Embora essa rota seja temporária e funcional para a temporada alta de frutas no Chile, bem como para a maior demanda por eletrônicos que gera o Natal, continuaremos adaptando a nossa operação para atender às necessidades de nossos clientes e conectar os produtos da América do Sul com o mundo”, disse Hadad.

 

Outras medidas adotadas pela LATAM Cargo

Durante a pandemia, o Grupo LATAM Cargo realizou uma série de modificações em seu itinerário e operações com o objetivo de mitigar os efeitos negativos que a restrição de capacidade belly poderia ter sobre os clientes, bem como estar em constante avaliação da sua operação para atender às necessidades de seus clientes.

Entre as medidas, destaca-se a utilização de forma regular dos aviões de passageiros para o transporte exclusivo de cargas nas rotas internacionais e domésticas utilizando diferentes materiais, entre eles, B777, B787, B767, A320 e A321. Em alguns casos, foi incorporado o uso de seat containers para otimizar a capacidade de transporte de cargas nos aviões de passageiros. Com essa estratégia, as companhias aéreas da LATAM Cargo complementam a capacidade entregue por sua frota de carga exclusiva, composta por onze B767F.

No que diz respeito às rotas e frequências, estamos priorizando proteger o fornecimento aos principais mercados. Por exemplo, chegou a aumentar em 5 (cinco) vezes a oferta entre Santiago (Chile) e Miami (Estados Unidos), passando de 6 para 31 as frequências semanais para entregar uma solução robusta aos exportadores de salmão, uma das principais indústrias do Chile. Também aumentou em 28% a frequência entre Bogotá e Miami, passando de 14 para 18 de frequência, que somadas às 5 frequências com origem Medellín, totalizam 22 frequências desde Colômbia para Estados Unidos em apoio aos exportadores de flores.

Além disso, aumentou a conectividade de Miami para a América do Sul e da Europa para a América do Sul. Além disso, durante este período foram inauguradas as rotas diretas para beneficiar os diversos setores industriais dos países em que opera, como as rotas da América do Norte para o Brasil ou para os novos destinos de carga de Los Angeles e México.